As imperfeições da Terra

05-04-2011 15:28

A imperfeição da Terra com uma precisão inédita. ESA divulga dados do satélite GOCE


O GOCE está a mapear a gravidade da Terra em detalhe.

 

A Agência Espacial Europeia (ESA) divulgou os resultados do satélite GOCE. As medições tiveram uma precisão inédita das variações da gravidade da Terra. Segundo os avanços feitos pela agência, o nosso planeta não é assim tão redondo e está cheio de defeitos.

A missão está financiada até 2012, mas dada a sua excepcional exactidão, os investigadores estão a tentar uma extensão até 2014, já que o satélite está dotado de um pequeno motor de propulsão iónico que permite guardar uma altitude constante e dispõe ainda de combustível suficiente para aumentar o prazo.

A imagem transmitida mostra um tipo de esfera ideal de um oceano global livre das influências das marés e correntes, é a mais perfeita representação da variação do campo de gravidade no planeta e fundamental para o estudo da circulação dos oceanos, alterações no nível do mar e a dinâmica das placas de gelo, todas afectadas pelas mudanças climáticas. Em amarelo estão as áreas onde o satélite mediu uma maior aceleração da gravidade, enquanto em azul estão as regiões com menor aceleração.

“Está na hora de usar os dados do GOCE na ciência e em aplicações e estou particularmente excitado com os primeiros resultados oceanográficos”, disse o professor Reiner Rummel, ex-chefe do Instituto de Astronomia e Física Geodésica da Technische Universität München, onde a ESA realiza seu quarto seminário internacional sobre as aplicações do satélite.

O GOCE irá fornecer padrões dinâmicos da topografia e circulação dos oceanos com qualidade e resolução inéditas. Os resultados ajudarão a melhorar a percepção da dinâmica dos oceanos do mundo. Dois anos em órbita resultaram num modelo único do geóide – a superfície de um oceano global, num cenário de ausência de marés ou corrente, definido exclusivamente pela gravidade.


O GOCE em órbita. Novos avanços

O geoide do GOCE pode ajudar a fazer novos avanços sobre os oceanos e o clima, além da compreensão sobre a estrutura interna da Terra. Os dados do satélite sobre a gravidade, por exemplo, podem auxiliar a formar um maior entendimento sobre os processos que causam terramotos como o que atingiu o Japão recentemente. Como o abalo foi causado pelo movimento de placas tectónicos sob a superfície do mar, ele não pode ser observado directamente do espaço, mas os tremores deixam "assinaturas" nos dados sobre a gravidade que podem ser usados para identificar os processos que levam à ocorrência desses desastres naturais e, eventualmente, ajudar a prevê-los.


Lançado em Março de 2009, o GOCE já recolheu mais de 12 meses de dados sobre o campo de gravidade terrestre. A missão do GOCE é pioneira em vários pontos na ciência de observação da Terra. Tem seis acelerómetros altamente sensíveis que medem a gravidade em três dimensões e tem o primeiro gradiómetro a ir para o espaço.

O satélite também orbita o planeta na mais baixa altitude entre os satélites de observação de forma a conseguir os melhores dados sobre a gravidade da Terra. Além disso, usa um inovador motor de iões que gera pequenas forças para compensar a desaceleração provocada pela sua passagem pelas camadas restantes da atmosfera.
 
Adaptado de Ciência Hoje

 

—————

Voltar