Dinossauro angolano com 90 milhões de anos

16-03-2011 10:41

Foi descoberta uma nova espécie de dinossauro em Angola, baptizada com o nome do mítico gigante que assustava os navegadores portugueses no Atlântico sul

Um paleontólogo da Universidade Nova de Lisboa, Octávio Mateus, descobriu em Angola fósseis de uma nova espécie de dinossauro, baptizada Angolatitan adamastor. O animal tinha 13 metros de comprimento, era herbívoro e viveu há 90 milhões de anos, no Cretácico Superior. O cientista português integra uma equipa internacional, que inclui especialistas de Angola, Estados Unidos e Holanda, e que tem conduzido escavações desde 2005, numa área a 70 quilómetros a norte de Luanda, em Iembe, Ambriz, entre outros locais da costa angolana.

 

Octávio Mateus ( à esq.) descobriu os restos do novo dinossauro
 
 

Além de se tratar de uma nova espécie, a importância da descoberta está no facto de serem raros os achados de dinossauros saurópodes na África subsariana, sendo esta a primeira vez que se encontram vestígios de um destes animais em Angola. Os cientistas pensavam que esta variedade de saurópode estaria extinta na idade geológica correspondente ao Cretácico Superior, quando a fauna era dominada por titanossauros e rebaquiassauros, sendo o Angolatitan adamastor mais antigo do que estes dois.

Octávio Mateus pensa que o dinossauro agora descoberto terá vivido em Angola numa altura em que já estava extinto no resto do mundo. A zona do achado era desértica há 90 milhões de anos, mas o angolatitan terá sobrevivido nessas condições áridas, um pouco como acontece hoje em dia com o moderno elefante.

A região explorada pelas escavações do projecto PaleoAngola já tinha sido estudada nos anos 60 pelo cientista português Miguel Telles Antunes e beneficia da ausência de vegetação, o que tem permitido prospecções sistemáticas e a descoberta de fósseis em grandes quantidades.

Outra das regiões exploradas, mais a sul, foi o deserto do Namibe, um terreno seco e arenoso, formado há cem milhões de anos. Ali há encostas suaves onde os ossos fossilizados por vezes surgem expostos. Nas escavações de 2005 a 2007, foram encontrados fósseis de pterossauros e plesiossauros, respectivamente répteis voadores e piscívoros. Até agora, os únicos saurópodes do Cretácico Superior encontrados em África tinham sido descobertos no Níger e em Madagáscar. Os cientistas sabem que Angola é rica em restos de vertebrados do Cretácico, mas a zona continua pouco explorada, devido aos efeitos da guerra.

 

Fonte: Diário de Notícias

 

—————

Voltar