Glucagon e insulina

11-04-2012 22:17

Como intervêm as hormonas insulina e glucagon no metabolismo da glicose, algumas ideias...

 

INSULINA - A insulina é produzida nas células beta das ilhotas de Langerhans do pâncreas e é armazenada em vesículas do Aparelho de Golgi. Quando a concentração de glicose sanguínea atinge níveis acima de 110 mg/dl, há um excesso de metabolismo oxidativo mitocondrial nas células beta o que determina a segregação de insulina para a circulação sanguínea a partir de um mecanismo complexo. Sabe-se que esse excesso do metabolismo mitocondrial nas células beta é devido a pouca actividade das vias de desvio do metabolismo energético, comuns nas demais células (síntese de glicogénio, lipídos e corpos cetónicos), o que acarreta uma grande produção de ATP mitocondrial. Este facto desencadeia a libertação de insulina para o sangue, pois o escesso de ATP poderia causar danos nas células. Uma vez na corrente sanguínea, a insulina possui três efeitos principais:

1) Estimula as células a captar a glicose; 2) Estimula os músculos e fígado a armazenar glicose sob a forma de glicogénio e 3) estimula a síntese de ácidos gordos e aminoácidos.

 

GLUCAGON - Hormona segregada pelas células alfa do pâncreas. O principal estímulo para a sua secreção é a hipoglicémia (baixos níveis de glucose na corrente sanguínea) e o aumento de ácidos gordos e aminoácidos livres no plasma (especialmente a alanina). O glucagon possui acção contrária à da insulina, principalmente no que diz respeito ao armazenamento energético, promovendo a degradação das reservas energéticas, aumentando a glicogenólise (hidrólise do polímero glicogénio, armazenado nos múscúlos e no fígado para obetenção dos correspondentes monómeros de glucose) e a mobilização dos ácidos gordos dos adipócitos, no sentido de produzir a tão necessária glucose. É um potente estimulador da gluconeogénese nas células hepáticas. 


GLU_INS.jpg

Fonte da imagem: http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Glicemia.svg