Novo motor permite exploração espacial 'low-cost'

09-04-2012 13:54

Micro-motor foi criado nos laboratórios da Escola Politécnica Federal de Lausanne

O primeiro protótipo de um motor ultra-compacto que permitirá o voo de pequenos satélites acabou de ser criado nos laboratórios da Escola Politécnica Federal de Lausanne (EPFL). O objectivo é reduzir drasticamente o custo da exploração espacial. Conseguir chegar à Lua utilizando apenas um décimo de litro de combustível poderá ser uma realidade com este motor iónico concebido pela MicroThrust, cientistas da EPFL e os outros parceiros europeus. Inaugura-se, assim, uma nova era de baixo custo para a exploração espacial.

 

O propulsor completo pesa apenas algumas centenas de gramas e foi projetado especificamente para impulsionar pequenos satélites com peso entre 1 e 100 quilogramas. Permitirá que alterem a sua órbita e mesmo que viajem para destinos distantes da Terra.

O protótipo recém-lançado será aplicado no CleanSpace One, um satélite em desenvolvimento na EPFL, projectado para limpar lixo espacial, e no OLFAR, um grupo de nano-satélites holandeses que irão captar sinais de radiofrequência ultra-baixa no lado oculto da Lua.

 

 

 

Compacto e eficiente

Desenhado para ser montado em pequenos satélites, o motor é extremamente compacto mas altamente eficiente. O protótipo pesa apenas 200 gramas, incluindo o combustível e o controlo electrónico. “Actualmente, os nano-satélites estão presos nas suas órbitas. O nosso objectivo é 'libertá-los'”, explica Herbert Shea, coordenador do projecto European MicroThrust e director do Laboratório de Micro-sistemas para Tecnologias Espaciais, da EPFL.

Actualmente, os satélites pequenos estão 'na moda' pois tanto a sua fabricação como o seu lançamento são relativamente baratos quando comparados com os satélites convencionais. No entanto, careciam de um sistema de propulsão eficiente que lhes daria verdadeira autonomia e permitisse realizar missões de exploração e observação.

Em vez de combustível fóssil, o novo mini-motor funciona com um líquido iónico – o componente químico EMI-BF4. É composto por moléculas carregadas de electricidade, chamadas iões, sendo que é líquido à temperatura ambiente.

Os iões são extraídos do líquido e depois ejectados por meio de um campo electrónico para gerar um impulso. Este é o princípio por detrás do motor: o combustível não é queimado, é expelido.

A velocidade de um micro-satélite com este motor pode atingir os 42 mil quilómetros por hora em seis meses de aceleração. “Calculamos que para atingir a órbita lunar, um nano-satélite de um quilograma com o nosso motor viajará seis meses e consumirá 100 mililitros de combustível”, explica Muriel Richard, cientista do EPFL.

 

Fonte: Ciência Hoje

 

—————

Voltar