Nuvem de gás será devorada pelo buraco negro do centro da Via Láctea

15-02-2012 11:50

Astrónomos da ESO apresentam simulação por computador

 

Astrónomos do Instituto Max Planck (Alemanha) anunciaram em Dezembro passado a descoberta de uma densa nuvem de pó e gás três vezes mais massiva do que a Terra que se está a dirigir para o Sagitário A, no centro da nossa galáxia. Aqui, encontra-se um gigantesco buraco negro cuja massa equivale a 4,3 milhos de vezes o Sol. A nuvem, atraída pela gravidade do buraco chegara ao seu destino em meados de 2013 e será, aos poucos, devorada por ele. Os investigadores do Observatório Europeu do Sul apresentam por antecipação esse espectáculo cósmico, numa simulação informática em é possível ver como tudo acontecerá.

 

 

A nuvem é formada por restos de um disco protoplanetário, material a partir do qual nascem novos planetas, cometas e asteróides à volta das estrelas. Não se sabia que as estrelas jovens que rodeiam o centro da nossa galáxia fossem capazes de formar mundos à sua volta. No entanto, se têm discos protoplanetário, quer dizer que podem ter planetas.

Os investigadores supõem que uma estrela jovem, à volta da qual se estavam a formar planetas, foi desviada da sua órbita pelo buraco negro.

O centro da galáxia está repleto de radiação emitida por material que gira à volta do buraco negro e que é esmagado e aquecido antes de ser devorado por ele.

O filme animado que a ESO criou mostra como a nuvem se comportou desde 2009 e vai comportar até 2043. Devido à sua própria inércia, a nuvem rodeará rapidamente o buraco negro e será impulsionada para longe dele, não sem antes perder grande parte da sua massa.

Apesar de nos anos seguintes parte da nuvem continuar afastada do buraco negro, este já não soltará a sua “presa”. No final, a gravidade vai voltará a deter a nuvem e a atraí-la para definitivamente para o buraco negro.

 

Fonte/Adaptado de: Ciência Hoje

—————

Voltar