Fraunhofer Portugal Challenge já tem vencedores com projectos inovadores

21-10-2011 13:38

Fraunhofer Portugal Challenge premeia projectos inovadores


O concurso de ideias Fraunhofer Portugal Challenge, uma iniciativa do Fraunhofer AICOS que teve como grande objectivo premiar e recompensar a investigação científica "de utilidade prática" feita nas universidades portuguesas já tem vencedores.

 

Daniel Polónia aluno da Universidade de Aveiro, no curso de Engenharia Electrotécnica, foi o vencedor na categoria de Doutoramento com o projecto de criação de um Mercado Electrónico de Serviços de Radiologia. Ao analisar o estado actual dos serviços de imagiologia foi identificada uma assimetria na localização dos médicos radiologistas (concentração nos grandes centros urbanos) enquanto que os meios técnicos estão equitativamente distribuídos pelo país.

 

Para contrariar este desequilíbrio, Daniel Polónia propõe a criação de um mercado electrónico de imagiologia que possa unir os prestadores de serviços de saúde e os radiologistas, permitindo assim às instituições procurar o serviço ao melhor preço dentro do prazo estipulado.

 

Neste mercado electrónico e competitivo, uma determinada instituição de saúde coloca na plataforma electrónica um determinado exame, previamente realizada por um técnico. Esta instituição solicita assim aos radiologistas que estão no mercado a melhor proposta para providenciarem o serviço de análise. A instituição escolherá o profissional que neste “leilão” seja capaz de oferecer o serviço ao melhor preço.

 

Ricardo Fernandes, também da Universidade de Aveiro, foi o vencedor na categoria de Mestrado, com o desenvolvimento de um pequeno dispositivo wireless que funciona sem bateria e que é capaz de acumular a partir de ondas electromagnéticas.

 

O Fraunhofer Portugal Challenge 2011 pretende que os concorrentes apresentem ideias inovadoras (baseadas em teses de Mestrado ou Doutoramento) e com possibilidade de fazer a diferença no dia-a-dia das pessoas. As ideias deveriam estar enquadradas nas áreas das Tecnologias da Informação e Comunicação, Multimédia e outras ciências semelhantes.

 

Das muitas candidaturas recebidas de universidades de todo o país, o júri escolheu 6 concorrentes finalistas (3 na categoria de Mestrado e 3 na categoria de Doutoramento), que apresentaram publicamente as suas ideias no evento de encerramento do Fraunhofer Portugal Challenge 2011, realizado nas instalações do Fraunhofer AICOS, no Porto.

 

Após as apresentações, o júri atribui o 1º, 2º e 3º lugar em cada categoria, juntamente com um painel de especialistas constituído por Mário Rui Silva (CCDR-N), José Pinto Ferreira (Faculdade de Engenharia da Univ. do Porto) e Manuel Aroso (Aroso & Associados).

 

A classificação final das 6 ideias vencedoras foi a seguinte:

 

Categoria de Doutoramento:

1º lugar – 3.000€
Daniel Polónia (Universidade de Aveiro)

A ideia proposta por Daniel Polónia é a criação de um mercado electrónico de teleradiografia, recorrendo apenas ao equipamento já existente, com o objectivo de melhorar processos, aproveitar recursos com mais eficácia e reduzir custos nos serviços de imagiologia. Este “mercado” conseguiria unir os prestadores de serviços de saúde e os radiologistas permitindo assim às instituições procurar o serviço ao melhor preço, dentro do prazo estipulado.

 

 

 

 

2º lugar – 2.000€
Navin Kumar (Universidade de Aveiro)

Navin Kumar propõe a criação do VIDAS (Visible Light Communication for Advanced Driver Assistance Systems) ou comunicação de dados através de luzes para sistemas avançados de assistência à condução. Trata-se de um sistema de comunicação que permite a transmissão de dados através de luzes LED, aproveitando uma tecnologia inovadora e que pode revolucionar completamente a circulação automóvel e a segurança rodoviária.

 

3º lugar – 1.000€
Rui Barbosa (Universidade do Minho)

A ideia de Rui Barbosa consiste num sistema de inteligência artificial que é capaz de substituir, e com melhores resultados, os seres humanos na análise e na gestão de produtos financeiros, como por exemplo fundos de investimento ou acções. As conclusões da investigação demonstram que um fundo gerido por estes ”agentes” – onde a gestão é feita por uma software e não por humanos – é muito mais eficiente e vantajosa do que nos fundos tradicionais.

 

Categoria de Mestrado:

1º lugar – 2.000€
Ricardo Fernandes (Universidade de Aveiro)

A ideia de Ricardo Fernandes foi a de criar um pequeno dispositivo de comunicação wireless que consegue funcionar sem bateria, indo buscar energia a ondas electromagnéticas. Esta tecnologia, aplicada a aparelhos de maiores dimensões e que usamos no dia-a-dia (como telemóveis ou computadores), poderá evitar o uso de baterias, no que seria uma grande inovação tecnológica.

 

2º lugar (ex-aequo) – 1.000€
Waldir Pimenta (Universidade do Minho)

O concorrente Waldir Pimenta idealizou um sistema de reconhecimento facial que é mais rápido e eficiente a realizar esta exigente tarefa do que os sistemas actuais, usando técnicas completamente inovadoras. O que se propõe é um método que agiliza o processo de reconhecimento facial, baseado num método de normalização da pose e das expressões faciais, mantendo no entanto a forma facial (as estruturas rígidas da face).

 

2º lugar (ex-aequo) – 1.000€
Flávio Sousa (Instituto Superior Técnico de Lisboa)

Flávio Sousa desenvolveu uma aplicação para smartphones que consegue rapidamente prever o avanço de um determinado incêndio florestal, podendo ser uma ajuda preciosa para bombeiros e outras forças de combate a incêndios. O investigador conseguiu idealizar um sistema em que os cálculos necessários para prever o avanço do incêndio são feitos com muito mais rapidez, permitindo que o resultado chegue às autoridades de combate ao fogo em tempo útil.

 

Fonte/adaptado: QI - Porto de Ideias

—————

Voltar