Novas descrições do «Australopithecus sediba» certificam-no como antepassado humano

12-09-2011 10:07

Um ano após primeiros estudos, cientistas revelam novidades deste hominídeo primitivo



Representação artística daquele que pode ser o mais antigo antepassado directo do «Homo sapiens»
 

Num artigo publicado há pouco mais de um ano na revista «Science» dava-se a conhecer um provável antepassado directo do género Homo, o australopiteco Australopithecus sediba que viveu há 2 milhões de anos em África. Os restos estudados correspondiam a uma mulher de aproximadamente 30 anos e de um menino de 10.

 

Agora, a mesma revista publica cinco estudos diferentes onde são descritos novos pormenores da anatomia desta espécie. As descobertas, dizem os especialistas, põe mesmo em causa algumas teorias existentes sobre a evolução humana.  

 

O Australopithecus sediba tinha tanto características primitivas – um cérebro pequeno – mas outras muito semelhantes aos humanos – como a pélvis mais desenvolvida, mãos aptas tanto para subir às árvores como para construir ferramentas e bipedismo. As suspeitas de que este poderia ser o melhor candidato a antepassado directo do Homo parecem estar confirmadas.

Nestes estudos é feita a descrição mais completa de um hominídeo primitivo, da pélvis mais completa, bem como o scanner de alta resolução mais preciso de um crânio. Analisam-se também novas peças do pé e do tornozelo.

Através de técnicas paleomagnéticas e de datação de sedimentos do sítio onde os ossos foram achados (Malapa, na África do Sul), investigadores da Universidade Victoria (Melbourne, Austrália) chegaram à conclusão que estes têm 1,977 milhões de anos. Tornam-se assim os mais antigos fósseis onde se registam características humanas.

Apesar de ter a forma de um cérebro humano, o crânio do sediba  é muito mais pequeno, apenas 420 centímetros cúbicos (o ser humano actual tem entre 1200 e 1600). Esta descoberta põe em causa, dizem os especialistas, a teoria que defende a gradual ampliação do cérebro durante a transição do Australopiteco para o Homo.

Outro estudo revela que este antepassado tinha uma pélvis muito parecida com a humana, e que não corresponde com a capacidade do crânio. As mãos e os pés mostram também uma mistura entre características primitivas e modernas. As características da mão sugerem mesmo que este ser pode ter fabricado ferramentas antes do Homo habilis.

Os mesmos inferiores indicam que apesar de treparem às árvores, estes seres também caminhavam e corriam utilizando as duas pernas. A forma do tornozelo é considerada “surpreendente”: a articulação lembra a de um ser humano, com o arco e o tendão de Aquiles bem definidos, mas o calcanhar e a tíbia parecem de um símio.

Os artigos podem ser consultados aqui.

 

Fonte: Ciência Hoje

—————

Voltar